4 DE DEZEMBRO: DIA DO PERITO CRIMINAL

 

dia do perito

Perito – retrato de um profissional sem glamour*

 

 Quando o telefone toca no plantão do Instituto de Criminalística, o corpo do perito plantonista emite sinais, os quais, tanto podem ser um discreto arrepio pelo corpo ou costumeiros friozinhos no estômago. Sensações assim, se assemelham a um alerta espontâneo, de que algo ruim acaba de acontecer. Papel e caneta nas mãos, ele anota o endereço, muitas vezes, de uma tragédia. Não importa se é dia ou noite, se o tempo é de sol ou chuvoso. Começa a luta contra o relógio, pois todo perito sabe, que quanto mais ele demorar, mais longe da verdade ficará.

 Com o equipamento necessário nas mãos, como uma trena métrica, uma máquina fotográfica, luvas, papel e caneta presos a uma prancheta, e uma forte dose de adrenalina, o perito vai a campo, ao encontro do inesperado. Uma perícia nunca é igual à outra. Pelo trajeto, é comum ele ser informado de que a sua presença também é necessária em outro local e mais outro… A tensão ganha maior dimensão e assim prossegue em 24 horas de sucessivas expectativas.

No local da perícia, onde o perito faz a coleta de provas, além de ter a obrigação de ser atento, detalhista, ousado, isento e ético em busca da materialização da verdade, também tem que ser fotógrafo, desenhista e por mais que se especialize ainda tem que lidar com sentimentos primitivos inerentes à humanidade. Afinal, não é fácil conviver com a dor do semelhante e muitas vezes ter que administrar surpreendentes reações familiares.

As imagens que ele vê, de corpos esmagados, cabeça ou outros membros separados do corpo, sejam de crianças ou adultos, tendem a se somar a carga de estresse, mas o perito tem que chegar bem perto para fotografar e detalhadamente examinar, pois, até as larvas transmitem informações. E ainda que use subterfúgios para driblar os fortes odores emanados dos gases e do sangue fétido que no ser humano é inigualável, não há como fugir à somatória silenciosa do estresse, embora ele não disponha de serviço de apoio psicológico específico.

Depois do plantão, quando o perito deveria dispor de folga, esse é o período que ele se dedica para atender à pressão dos prazos. Ele tem dez dias para estudar cada uma das ocorrências periciadas e suas respectivas fotografias, realizar cálculos, sem contar as vezes que, mesmo após o plantão, a dedicação recomenda acompanhar autópsias de corpos no IML, para depois confeccionar o laudo pericial que pode resultar na condenação de um culpado, ou na absolvição de um inocente. Haja responsabilidade!

As sensações físicas ou os sinais de alerta que o perito experimenta quando o telefone toca, apenas indicam que o aspecto psicológico está abalado pela convivência com situações extremas, porém rotineiras, mas que provocam importantes dispêndios de energia psíquica. E de passagem, diga-se, o estresse tem limites!

Ao contrário do glamour exibido em seriados norte-americanos, a realidade diária de um perito é bem diferente do CSI televisivo. Se há glamour, esses profissionais ainda não descobriram, pois a silenciosa responsabilidade que os move, grita alto dentro deles.

A Criminalística é uma ciência relativamente nova, mas vem caminhando a passos largos em busca dessa solidificação científica. Com formações acadêmicas em diversos ramos da ciência, e com a aquisição de conhecimentos técnicos consagrados, peritos de todas as unidades da federação, não têm deixado a desejar.

Nessa sexta-feira, 04 de dezembro, comemora-se o Dia do Perito em homenagem a um profissional mineiro que morreu enquanto realizava seu trabalho. E mesmo podendo protestar contra riscos rotineiros, causados pela insegurança de trabalhar em locais mal isolados, os peritos comemoram. Não deixa de ser uma comemoração irônica, haja vista a omissão do Estado em investir, preventivamente, contra doenças psicossomáticas que acarretam seres humanos de algumas profissões, como é o caso dos peritos que têm como missão, materializar a verdade, em qualquer parte, onde haja a necessidade de se materializar a verdade, para que se faça Justiça.

Gilvan N. Nolêto*

*é Perito Oficial, Jornalista, Especialista em Polícia Comunitária e natural de Tocantinópolis – TO